Sociedade / Saúde e Educação

Novo teste de febre-amarela na urina reduz resultados falsos

Uma pesquisa conduzida pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo conseguiu detectar o vírus da febre-amarela na urina e sémen de um paciente cerca de um mês após a contaminação.  

Segundo o artigo, a detecção a partir da urina é uma nova ferramenta para os diagnósticos, reduzindo a quantidade de resultados falsos negativos. Para o coordenador do projecto, o professor da USP Paolo Zanotto, o método também é interessante por ser menos invasivo do que os exames de sangue, método tradicional de diagnóstico da doença.