Sociedade

Líderes religiosos no país devem interpretar correctamente a Bíblia

A igreja em Angola ainda vive num marasmo e  precisa de fazer uma interpretação correcta do Evangelho para não iludir as pessoas, disse,  em Luanda, o pastor titular da Igreja Evangélica Pentecostal Internacional “Adonai”, Jorge Baptista.

Em entrevista sábado ao Jornal de Angola, por ocasião ao lançamento de mais uma das suas obras literárias, intitulada "O mito da igreja perfeita", Jorge Baptista reconhece existirem ainda muitos líderes religiosos que "fantasiam" e que fazem crer que a igreja é um lugar perfeito.
“Se ouvirmos alguns programas de rádio, parece que se está a vender uma igreja em que tudo é perfeito e que se nela entrares a sua vida torna-se um mar de rosas, e isto é uma falácia, ou seja, não existe”,  asseverou o pastor Jorge Baptista.
Como “remédio” para muitos devaneios na igreja, o pastor Jorge Baptista apontou o apego às santas escrituras como uma solução.
“Vamos cada vez mais estudar a Bíblia Sagrada, para não ficarmos apenas naquilo que nos dizem os líderes ou outros servidores da palavra”, pediu Jorge Baptista aos cristão.
O prelado sugeriu aos fiéis a não se desapegarem da Bí-blia a fim de não serem manipulados.
No livro “O mito da Igreja perfeita” Jorge Baptista procura desmistificar a igreja como um lugar perfeito.
"Quero com esta obra mostrar aos cristãos que Deus nunca tencionou a perfeição para o homem, nem mesmo para o homem religioso.

Mito da igreja perfeita


O livro com 117 paginas e  foi escrito numa perspectiva de proclamação.
“O mito da igreja perfeita" não é um livro escrito apenas para aqueles que têm fé em Jesus Cristo, é também para os que buscam a fé ou que dizem não terem necessidades de formalizar a sua fé numa instituição religiosa.
O livro tem oito capítulos, sendo que no sétimo se encontra um dos mais “controversos fenómenos” que ocorrem nas instituições religiosas:  os escândalos.
Questionado sobreos escândalos na igreja, Jorge Baptista considera ser conveniente que haja situações do género dentro da casa de Deus, na medida em que "na história da igreja nunca houve nenhum momento sem escândalos.
Para ele, Deus permite que haja escândalos na igreja para purificá-la, sendo por isso que estes nunca hão-de destruí-la.
Ou seja, uma igreja pode acabar localmente, mas nunca como uma instituição de Deus. Para o líder religioso, é preciso que se dê mais ouvidos ao espírito santo e que se ultrapassem as barreiras de institucionalização da igreja. "As vestes religiosas destroem mais do que quando mostramos as nossas fraquezas, fazendo também com que o pragmatismo religioso tire a igreja dos parâmetros doutrinais.
Jorge Baptista sublinhou que não devemos confundir igreja com templo.
“Um templo é uma infra-estrutura e a igreja é algo mais profundo e divino, coisa instituída por Deus”. Segundo Jorge Baptista, Angola está a viver um momento impar, por estar a registar um crescimento do movimento religioso, algo que acontece em todo o continente africano.

Venda de exemplares


“Angola está nesse caminho porque a religião cresce a cada ano que passa”, declarou o autor da obra apresentada sábado numa unidade hoteleira, no bairro Talatona.
No dia seguinte, exemplares do livro foram vendi-dos na Praça da Independên-
cia, onde o autor esteve também presente.
Jorge Baptista é ministro do Evangelho, conferencista internacional, pastor sénior da Adonai Igreja Evangélica Pentecostal, fundada em Julho de 2016.
É bacharel em Teologia pela ETM de Penapolis, São Paulo, Brasil.
Como pregador do Evangelho tem levado a palavra de Deus a países de África, Europa e da América.
 Outras obras de que é autor são “Celeiro de Pregador”, publicada em 2012,  e “A Teologia da Bacia”, no ano de 2014.
A população angolana é maioritariamente cristã.