Sociedade

Drogas levam à desgraça e destruição de famílias

O consumo de drogas e substâncias psicotrópicas levam a pessoa à desgraça, porque afectam o desenvolvimento do indivíduo, afirmou ontem, no município do Nzaji, o coordenador do Instituto Nacional de Luta Anti-Drogas na Lunda-Norte (INALUD), Manuel Borges Figueira.

Durante uma palestra sobre o assunto, Manuel Borges Figueira sublinhou que as drogas desestruturam as famílias, a sociedade, as forças produtivas, provocam doenças e mortes e toda a sorte de males, além de intensificarem a corrupção.
Manuel Borges Figueira explicou que em Angola, os principais consumidores e traficantes de drogas leves são pessoas dos 15 aos 45 anos, na sua maioria do sexo masculino, solteiros e com o nível de escolaridade médio-baixo.
Os consumidores de drogas pesadas, disse Manuel Borges Figueira, são, na generalidade, indivíduos da classe média alta.
A palestra teve como tema central “As drogas na adolescência, na família e suas consequências” e como objectivo sensibilizar a população, sobretudo a comunidade estudantil, para os perigos deste flagelo.
O coordenador provincial do INALU afirmou que  o consumo de drogas e a toxicodependência atingiram uma dimensão mundial, com consequências nefastas de índole humano, social e económico, cujos circuitos vão desde a produção em larga escala à distribuição sem fronteiras.
“Quando se fala em drogas, não estamos a falar apenas da liamba e de outras substâncias tóxicas, da cocaína, heroína, do crack, mandracks, só para citar essas, mas também do álcool, que é uma lícita e comercializada em qualquer esquina”, disse Manuel Borges Figueira para acrescentar que o consumo exagerado de bebidas alcoólicas é tão nefasto como qualquer outra droga. “Quando a bebida alcoólica é consumida em proporções exageradas, transforma-se em droga. Por exemplo, quando as pessoas conduzem meios rolantes em estado de embriaguez, o risco de  acidentes é maior e se fizermos uma reflexão mais circunspecta, verificamos que grande parte dos desastres que ocorrem nas estradas, resultam do consumo excessivo de bebidas alcoólicas”, explicou Manuel Borges Figueira, que   defendeu a preservação de valores no seio da família, o cumprimento do dever da pátria, a dignidade humana, a elevação da cidadania. "É uma batalha que deve envolver e mobilizar toda a sociedade.”
Margarida Lourenço, directora da escola primária e do primeiro ciclo Saidy Mingas, no Nzaji, mostrou-se satisfeita com a realização da palestra que decorreu naquela instituição: “Foi uma mais-valia, algo proveitoso para os alunos, professores e funcionários, e o tema foi pertinente.”
O consumo de elevadas quantidades de drogas pode levar ao mau funcionamento de órgãos como pulmões e coração, podendo provocar a morte por overdose.
Na maioria dos casos, após o consumo de droga, os primeiros sintomas de overdose incluem euforia, perda do controlo, agressividade, náuseas e sangramento pelo nariz e, quando não há socorro médico pode ser fatal.
Os sintomas de overdose e o risco de morte também podem acontecer quando um indivíduo transporta drogas no estômago, porque basta uma pequena quantidade de substância entorpecente na corrente sanguínea para que possam ocorrer alterações como enfarte, mau funcionamento do fígado, esquizofrenia, ou até mesmo a morte.
Os efeitos das drogas na gravidez podem ser observados na mulher e no bebé. Além dos efeitos referidos, o consumo de drogas durante a gravidez pode levar a aborto ou ao parto pré-maturo, podendo provocar restrição do crescimento e baixo peso para a idade gestacional.