Sociedade

Angola e China apostam no reforço da cooperação

Instituições públicas e privadas estão a ser inspeccionadas, com o objectivo de se assegurar o cumprimento das normas legais relativas à reserva de vagas e procedimentos de contratação e acessibilidade de pessoas com deficiência.

As visitas de inspecção de técnicos do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, da Administração Pública e Segurança Social e das Obras Públicas são também direccionadas aos projectos de fomento habitacional.


O director nacional para a inclusão das pessoas com deficiência do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Micael Daniel, disse, ontem, ao Jornal de Angola, que os resultados de acessibilidade e adaptação aos postos de trabalho não têm sido satisfatórios.
“Há incumprimentos relativos ao preenchimento de vagas nos postos de trabalho e na contratação de pessoas com deficiência, por parte de instituições públicas e privadas”, referiu Micael Daniel, que defende a criação de condições para se inverter o quadro. Garantiu que decorre um processo de monitorização e levantamento para se saber o número de pessoas com deficiência inseridas no mercado de trabalho nos sectores público e privado.

Segundo Micael Daniel, são inúmeros os obstáculos que os deficientes enfrentam no mercado de trabalho e começam antes de serem aceites no seio da família e da sociedade. Os obstáculos, acrescentou, devem-se à falta de adaptação nos transportes públicos, de infra-estruturas, como rampas e semáforos inteligentes, bem como de adaptação arquitectónica, que envolve rampas de acesso, banheiros acessíveis, além de vagas de estacionamento reservadas.

Micael Daniel é de opinião que se devem reforçar as medidas que visam garantir a contratação e acessibilidade das pessoas com deficiência aos ambientes de trabalho e fazer com que as empresas criem ambientes laborais in-clusivos e menos obstruídos por barreiras arquitectónicas, para proporcionar autonomia, conforto e segurança aos profissionais com deficiência.