Artigo

Reportagem

Empreiteiro abandona obras da Central do Kwebe

As obras  da central termoeléctrica do Kwebe, na cidade de Menongue, cuja conclusão estava prevista para o final de Julho último, estão paralisadas. Acontece que a empresa sub-contratada para o efeito, a GRD Service, suspendeu os trabalhos há cerca de dois meses, alegadamente, por ter recebido apenas 50 por cento do valor contratual e ter gasto mais do que a referida percentagem.

Inicialmente, a GRD Service tinha sido sub-contratada pela empreiteira Aenergy, mas, por ter paralisado as obras, acabou por ver o vínculo contratual rompido, por iniciativa da outra parte. Acto contínuo, a Aenergy  procurou outra empresa, a Proredel, para acabar os trabalhos que a GRD começou.
Por seu lado, a Proredel, que deveria dar seguimento às obras, optou, para o efeito, por sub-contratar a mesma GRD Service. Esta voltou a abandoná-las pelas  razões evocadas quando parou o compromisso que tinha com a Aenergy.
“Diante desta confusão,  tivemos de  conciliar as partes, que, depois de algumas horas de reunião, nos prometeram retomar os trabalhos nas próximas 24 horas”, disse ao Jornal de Angola o vice-governador para o sector Técnico e Infra-estrutura, Bento Xavier.
“Apesar de a obra não ser nossa”, prosseguiu Bento Xavier, “somos uma das partes interessadas na sua conclusão, pelo que não podemos cruzar os braços diante desta situação. Nesta conformidade, aconselhámos às empresas a ultrapassar o impasse e aguardamos que cumpram com o que assumiram”.
O Governo Provincial do Cuando Cubango não tem poderes deliberativos neste processo, porque o projecto é inteiramente do Ministério de Energia e Águas. A este respeito, Bento Xavier disse que o elenco de que faz parte  “vai apenas acompanhar o desenrolar dos trabalhos e tomar as medidas necessárias”.
Quer a Aenergy , quer a GRD Service negaram-se a falar sobre o assunto ao Jornal de Angola.
 
 A empreitada à Aenergy

O Ministério da Energia e Águas atribuiu a empreitada, através de um concurso público , à empresa angolana  Aenergy, à qual pagou o valor de 69 milhões de dólares, verba total da obra. Esta, por seu lado, sub-contratou a GRD Service, empreiteira igualmente de direito angolano, que começou a executar o projecto em Janeiro do corrente.
A GRD Service suspendeu os trabalhos já na recta final, justificando incumprimento da Aenergy. Em carta enviada ao Governo Provincial do Cuando Cubango, a GRD Service diz que tomou tal medida por ter recebido apenas 50 por cento do valor acordado, não revelando, no entanto,  o montante exacto desta percentagem.
 “A GRD Service cumpriu à risca todos os passos que constam no contrato, e, apesar de ter recebido apenas 50 por cento do valor contratual, adquiriu e fez chegar as duas turbinas a gás e a gasóleo à cidade de Menongue, onde iniciou a construção da central termoeléctrica do Kwebe, no dia 23 de Janeiro do corrente”, informou a empresa no documento, adiantando que ,“até à data presente, os trabalhos já foram executados na ordem dos 95 por cento”.
 
Obras efectuadas na central

A central termoeléctrica do Kwebe tem  uma execução na ordem dos 95 por cento. Tem já instaladas duas turbinas, que trabalham simultaneamente com gás e gasóleo. Neste momento, só a versão  a gasóleo está preparada para funcionar. Dois tanques de combustível, com capacidade de 750 mil litros cada, vão servir os aparelhos.
A sub-empreiteiro, a GRD Service, dentro das suas obrigações  contratuais,  montou na central uma área  electromecânica, salas de comando , zona de média tensão, transformadores de potência e um sistema de tratamento de água e combustível.
O nome Kwebe, atribuído à central, é uma referência ao mítico  Rio Kwebe, que atravessa a cidade de Menongue.

Cidade de Menongue
parcialmente às escuras

A cidade de Menongue, capital do Cuando Cubango, está parcialmente às escuras há uma semana, devido a avaria na sua única central térmica, que tem apenas capacidade de 11.9 megawatts.
Cinco dos sete geradores  da central, que têm uma capacidade de 1.701 megawatts cada, estão avariados.
“ Os geradores estão a funcionar há mais de sete anos. O seu tempo de vida útil é de apenas cinco anos”, disse o vice-governador  da província Bento Xavier.  
Devido  a pouca capacidade da central, para fornecer energia a toda capital da província do Cuando Cubango, foi criado o projecto da central termoeléctrica de Kwebe, com 54 megwetts.
“Estamos a fazer investimento em Menongue, para reforçar a actual capacidade instalada de 11 megwetts, que funciona desde 2012”, informou  o PCA da Prodel.
José Neto adiantou que a Prodel  importou   sobressalentes para a revisão  da actual central térmica de Menongue.
“Dentro de duas semanas, vamos enviar para Menongue dois contentores com materiais, para o início ao processo da revisão dos motores. Até ao final do mês em curso vamos meter a  central com 100 por cento da sua capacidade”, assegurou.

Prodel responsabiliza
sub-empreiteiro

O Presidente do Conselho da Administração da Prodel, Empresa Pública de Produção de Electricidade, órgão que superintende as centrais térmicas no país, confirma que “houve um desentendimento” entre a Aenergy e a GRD Service em termos de pagamento do contrato, mas atira as culpas ao sub-empreiteiro:
“O sub-empreiteiro já não estava em condições de continuar a financiar a execução da obra e, como pressão, optou por parar. O Ministério da Energia e Águas  teve de juntar as partes e tomar as medidas que se impunham. Daí, o processo começou a seguir com normalidade”, disse  José Neto.
Segundo o responsável da Prodel, empresa sob a égide do Ministério da Energia e Águas, depois da conversa com as  referidas empresas, deu-se início ao processo, no mês passado,  para a retomada da obra.
 “Voltou-se a mobilizar os meios para a GRD Service concluir a obra, que  já está praticamente no fim”, assegurou.