Política

Valor da segurança alimentar é realçado

O processo de desenvolvimento humano passa pela segurança alimentar das populações e o continente africano não foge à regra. A posição foi defendida no Cairo pela ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Sambo, citada pela Angop.


A ministra dissertava, no domingo, sobre o tema “Inovação alimentar e tecnológica, caminhos inovadores para a construção de infra-estruturas de massa cinzenta em África, à margem do Terceiro Fórum Africano de Ciência, Tecnologia e Inovação (STI), aberto no sábado na presença do Presidente egípcio, Abdel Fattah El-Sisi, e  de 30 responsáveis dos pelouro do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia.
Maria do Rosário Sambo lamentou o facto da qualidade de vida das pessoas em África ser ainda um enorme obstáculo, numa época em que a quarta revolução industrial se desencadeia e muitos países do continente africano lutam até agora com os desafios das etapas iniciais da revolução industrial, tais como a mecanização agrícola, a capacidade de produção em massa, o uso da electricidade, a automação, a electrónica e as tecnologias de informação.
Para a ministra, a inversão deste paradigma passa pela adopção da palavra-chave “acelerar” para se tentar passar para estágios que conduzam África no caminho do desenvolvimento. “Não teremos outra escolha se não acompanharmos os países mais avançados.”
No que à segurança alimentar em África diz respeito, frisou que ela implica a disponibilidade de nutrientes.