Opinião / Cartas dos Leitores

Cartas dos leitores

À medida que o tempo passa, parece que as informações sobre fuga à cerca sanitária, crescente número de casos confirmados de Covid-19 e um certo descontrolo da situação, aconselham à mudança de estratégias.


Embora não seja um especialista em questões de Saúde e Epidemiologia, julgo que está na hora das autoridades que superintendem o sector adoptarem outras estratégias, que envolvam dar, cada vez mais, espaço e papel às unidades hospitalares locais para fazer face ao crescente número ligado à pandemia. Acho que não vai ser sustentável continuarmos com a estratégia actual que passa pelo confinamento das pessoas infectadas sob a quarentena institucional. Em minha opinião, julgo que precisamos de repensar a quarentena na medida em que a contaminação comunitária começa a tornar-se uma realidade que tende a desaconselhar as cercas sanitárias. Acho que precisamos de passar para a fase de maior responsabilização individual das pessoas, levando-as a assumirem um comportamento que reduza o risco para os mesmos e os próximos.

ARTUR CARVALHO
Sambizanga

Professores nas escolas

Escrevo pela primeira vez para elogiar a iniciativa do Ministério da Educação segundo a qual os professores deverão regressar às escolas para desempenharem actividades não lectivas. A arrumação do material escolar como as listas, papéis e processos dos alunos, ao lado de iniciativas como planificação pedagógica são sempre bem-vindas nas escolas. Sei que há cerca de quarenta dias as escolas aqui em Luanda realizaram seminários pedagógicos e sobre as medidas de biossegurança nas escolas. Mas nesta fase e independentemente de não termos uma data prevista para o reinício das aulas, as escolas podem receber os professores, nas condições em que as autoridades defendem, para trabalharem. Por fim, espero que haja trabalho mesmo nesta fase para que se justifique o salário que está a ser pago .

FERNANDO MALAMBA
Cazenga

Makas na América

Escrevo para falar sobre os tumultos que envolvem as comunidades e a polícia, em que grande parte das vítimas são negros, nos Estados Unidos da América. Com a brutalidade policial que, volta e meia, culmina com a matança de negros como se fossem galinhas, será que o Departamento de Estado (Ministério dos Negócios Estrangeiros) dos Estados Unidos vai ter coragem para produzir o Relatório Anual sobre Direitos Humanos, acusando os outros países de violarem os Direitos Humanos?
Esse ano, ao que tudo indica, a mancha é monumental para a produção de relatórios porquanto os países visados terão mil razões para desacreditar os Estados Unidos. Realmente, não estão em condições de apontar dedo a ninguém, sobretudo nesta altura em que ganha forças do chamado movimento “Vidas Negras Importam( traduzindo a versão inglesa Black Lives Matters).
Acho que o multiculturalismo, a tolerância e a inclusão devem ser promovidos para uma melhoria das relações de raça na América.

CARLOS ESTEVES
Boavista