Mundo

Moscovo aberto ao diálogo com Administração Trump

O Kremlin afirmou ontem que não vê qualquer “perspectiva de normalização” nas  relações com Washington, no ponto mais baixo desde a Guerra Fria, mas diz-se “aberto ao diálogo” com os EUA após as eleições intercalares norte-americanas.

“Não vemos qualquer perspectiva brilhante de normalização nas relações russo-americanas no horizonte, mas isso não significa que não queiramos o diálogo”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas.
“Estamos a ser confrontados com muitos problemas que exigem comunicação entre a Rússia e os Estados Unidos: problemas de estabilidade estratégica, controlo de armamentos. Sem diálogo, esses problemas não se vão resolver sozinhos”, declarou.
As relações entre Moscovo e Washington, que atravessam um período de grande tensão, foram aguçadas pelas divergências persistentes sobre o conflito na Síria, Ucrânia ou acusações de interferência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016, acusações que a Rússia rejeita.
Questionado sobre o resultado das eleições intercalares norte-americanas, Peskov disse ser “pouco provável” que as relações entre Moscovo e Washington fiquem “mais complicadas”.
As eleições intercalares nos Estados Unidos para o Congresso ocorreram na terça-feira, com a vitória do Partido Democrata, que ga-nhou a maioria na Câmara dos Deputados, mas perdeu terreno no Senado para o Partido Republicano.
“É pior ou é melhor, cabe aos americanos decidirem. Não temos o menor desejo de interferir”, acrescentou Peskov. “O Presidente (russo Vladimir) Putin tem um ho-mólogo: o Presidente (norte-americano Donald) Trump. É tudo. Cabe aos dois continuarem a dialogar”, disse o porta-voz.
Os Presidentes da Rússia e dos Estados Unidos, Vladimir Putin e Donald Trump, poderão reunir-se à margem da Cimeira do G20, que ocorre em Buenos Aires entre 30 de Novembro e 1 de Dezembro.
Os dois mandatários também devem se encontrar no próximo fim- de- semana em Paris, nas cerimónias do centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, mas sem realizar uma reunião formal.