Mundo

Fiéis e desportistas madrugam na reabertura das praias

Membros de uma confissão religiosa e desportistas estiveram entre os que ontem madrugaram para poder voltar à praia da Costa do Sol, em Maputo, no dia em que se levantaram as restrições de acesso impostas para conter a Covid-19.

"Mal consegui dormir, de tanta ansiedade. Vim para aqui às 5h00 (4h00 em Angola)", disse à Lusa Salomão Filipe, praticante de 'kite surf', desporto em que uma prancha, presa aos pés, é puxada por uma espécie de asa empurrada pelo vento.

"Se eu pudesse teria dormido aqui, senti muita saudade do mar, tanto que ontem dormi tarde para saber das condições do vento", referiu, acrescentando que durante os cinco meses de interdição trabalhou como pedreiro.
Após cinco meses de Estado de Emergência, o país entrou a 7 de Setembro na fase de Estado de Calamidade por tempo indeterminado, estando prevista a retoma faseada das actividades económicas.

Na nova fase, o Presidente, Filipe Nyusi, definiu para ontem a reabertura das praias, mas proibiu a prática de desportos de grupo, espectáculos musicais e venda e consumo de bebidas alcoólicas.
Felisberto Matsinhe, funcionário público, pisou o areal logo de manhã com a filha e mulher porque "a saudade da praia falou mais alto", apesar da "temperatura baixa", a rondar os 18 graus.

Um grupo de fiéis de um culto religioso retomou um ritual que habitualmente é visto nas praias da marginal da capital moçambicana e aproveitou as primeiras horas do dia para rezar.
"Até perdi o apetite, ontem, de tanta ansiedade. Fiquei à espera disto por muitos meses e estou muito feliz com a reabertura das praias", disse uma mulher de 36 anos, que pediu anonimato, membro da Igreja Calela Zione de Moçambique.

Muísse Egas, de 22 anos, vendedor de cães, também está feliz com a reabertura pois poderá reactivar o seu negócio e a praia da Costa do Sol é a sua principal praça.
"Aqui eu conseguia vender dois a três cães por dia, além de distribuir muitos cartões de visita", disse à Lusa, lamentando as perdas que teve durante o período de interdição.

"Durante os cinco meses apostei nas vendas online, mas não consegui vender nenhum cão", referiu.
A manhã foi calma, no primeiro dia de reabertura das praias, com poucas pessoas no areal da Costa do Sol, onde agentes policiais se encontram para garantir o cumprimento das medidas de prevenção da Covid-19.
Moçambique regista um total acumulado de 5.482 casos da Covid-19 com 35 mortes, 122 internados (26 em centros de isolamento) e 3.094 recuperados (55% de todos os positivos).