Mundo

Campanha de Trump acusada de crimes

A campanha para a reeleição do Presidente Donald Trump ocultou, alegadamente, cerca de 170 milhões de dólares em gastos através de empresas com ligações ao antigo director de campanha, indicou um grupo de supervisão.


A utilização de empresas com ligações ao antigo director de campanha Brad Parscale ocultou parte das verbas recolhidas, que o Campaign Legal Centre (CLC), um organismo independente), descreveu como “uma prática de lavagem” em violação da Lei eleitoral, de acordo com uma queixa do grupo apresentada na Comissão Eleitoral Federal (FEC), organismo responsável pela administração e aplicação da Lei sobre o financiamento de eleições federais nos Estados Unidos.

Tim Murtaugh, director de comunicação de Trump, contestou as alegações e assegurou que “a campanha cumpre todas as leis de financiamento de campanhas e os regulamentos da FEC”.
De acordo com os registos da FEC, a maioria dos pagamentos dos comités de campanha de Trump foram recolhidos pelo American Made Media Consultants, que recebeu, pelo menos, 177 milhões de dólares desde 2018. Outra empresa, Parscale Strategy, colectou, pelo menos, 32 milhões de dólares durante esse período, indicam os registos disponibilizados.