Mundo / África

Cabo Verde inicia cooperação tripartida

O ministro da Defesa de Cabo Verde disse, ontem, que o país vai iniciar uma cooperação tripartida no sector da Defesa e Segurança com a Sérvia e os Emirados Árabes Unidos, para formar e treinar as Forças Armadas caboverdianas.

Segundo Luís Filipe Tavares, que falava na posse de novos comandantes das Forças Armadas, Cabo Verde já tem cooperação com países como Portugal, Espanha, Brasil, Bélgica e Estados Unidos da América, mas pretende oferecer novas oportunidades de treino e "formação de outro nível" aos militares, através de exercícios conjuntos com outros países.
"Estou a falar nomeadamente da Sérvia, onde estive há poucos dias com o ministro dos Negócios Estrangeiros, e também com os Emirados Árabes Unidos. Vamos fazer uma cooperação tripartida no sector da Defesa e Segurança, para fazermos formação e treinamento das nossas forças", sustentou Luís Filipe Tavares, adiantando que o ministro dos Negócios Estrangeiros da Sérvia deve visitar proximamente Cabo Verde.
O também ministro dos Negócios Estrangeiros caboverdiano disse que o reforço da cooperação com "países amigos" e o alargamento a outros países tem por objectivo modernizar as Forças Armadas, que considerou ser um "desafio de maior importância" da instituição castrense de Cabo Verde.
O titular da pasta da Defesa destacou a cooperação com os Estados Unidos, país com o qual Cabo Verde assinou um acordo que define o estatuto do soldado norte-americano quando em exercícios militares no país africano, com quem está a negociar um acordo de defesa mais alargado e vai ainda negociar um acordo de livre comércio.
"Mas, em matéria de Defesa e Segurança, a nossa parceria estratégica com os Estados Unidos da América é muito importante", prosseguiu Luís Filipe Tavares, referindo que Cabo Verde está a procurar uma aliança estratégica com a OTAN, para "proteger ainda melhor" o país. Para o governante, as Forças Armadas de Cabo Verde estão "num momento de viragem", pois no próximo ano vão ter um novo estatuto, que visam melhorar significativamente as condições de vida nos quartéis e aumentar a dignidade.
“Cabo Verde deve um grande tributo às suas Forças Armadas, que sempre estiveram nos momentos decisivos do país”, enfatizou.