Política

Bispos felicitam Chefe de Estado

Os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe (CEAST) felicitaram ontem o novo Presidente da República, João Lourenço, pelo propósito de ser o líder de todos os angolanos e trabalhar para o seu bem-estar,  especialmente das populações mais vulneráveis.

As felicitações foram apresentadas pelo presidente da CEAST, D. Filomeno Vieira Dias, na abertura da segunda assembleia ordinária da organização católica, que vai decorrer até segunda-feira, para analisar o plano pastoral para o triénio 2018-2020 e questões sociais que preocupam a igreja.
D. Filomeno Vieira Dias disse que os bispos da CEAST estão dispostos a colaborar na promoção do bem-comum e fazem votos de que João Lourenço procure  diminuir as assimetrias de diferentes naturezas e faça  um compromisso concreto com os desafios que Angola enfrenta, especialmente os económicos, durante o seu mandato.
Os bispos estão preocupados com a falta de estabilidade de algumas famílias e a falta de seriedade e consistência da acção educacional. Por esta razão, D. Filomeno Vieira Dias disse que a CEAST não se cansa em insistir na promoção de uma política familiar e adopção de medidas que permitam aos jovens projectar o seu futuro e assumir compromissos de longo prazo.
Para D. Filomeno Vieira Dias, os jovens são a esperança da Igreja, embora estejam expostos actualmente ao perigo de ser abalados por outras doutrinas. “Os jovens precisam de ser ajudados a crescer e a amadurecer na fé”, disse, adiantando que a igreja vai cuidar desta tarefa durante o triénio, que a CEAST quer dedicar totalmente aos jovens. 
Outra questão que a CEAST considera “complexa e delicada” é o aborto, que se for tratada com superficialidade, segundo D. Filomeno Vieira Dias, põe em perigo os fundamentos humanos e morais da civilização cristã. “Não há interesse da nossa parte em entrarmos em competições ideológicas. Apenas nos preocupamos com a defesa e promoção do homem que é parte integrante da proclamação evangélica”, explicou o presidente da CEAST, para acrescentar que a Igreja Católica não é contra a ciência ou progresso.
A Igreja Católica, prosseguiu, admira e sustenta os frutos da pesquisa e da inteligência que é o sinal da imagem de Deus no homem. “Queremos que a ciência esteja ao serviço do bem integral do homem e não parar ou dificultar o caminho da ciência ou a liberdade das pessoas. Mas orientar para que não se perca de vista o valor e a dignidade de todo o ser humano, desde a concepção até à morte”, esclareceu o prelado.
O presidente da CEAST disse que a Igreja não é indiferente ou insensível a uma série de factores psicológicos e legais que são evocados por uma certa corrente de pensamento a   respeito do aborto.
Durante a assembleia, os bispos vão analisar também o que consideram “urgente a necessidade” de criação dos tribunais eclesiásticos e de uma área na Diocese do Namibe denominada “Floresta”, com a responsabilidade de despertar a sensibilidade da sociedade pelas questões ambientais. Além disso, vão receber informações úteis sobre a vida das dioceses e sobre a presença de refugiados da República Democrática do Congo na Diocese do Dundo, província da Lunda-Norte.
D. Filomeno Vieira Dias agradeceu a resposta dos cidadãos anónimos e instituições católicas das diferentes dioceses, especialmente a Caritas nacional e ao Spam, organismo da CEAST dedicado a pastoral das migrações, pelo empenho no apoio aos refugiados.
Para o prelado, a Igreja deve ser sinal de esperança e estar preocupada com as necessidades dos pobres e solidária com eles, através de iniciativas concretas dirigidas a este segmento da população.
O encontro dos bispos da CEAST é também um momento privilegiado para fortificar a união, olhar para o momento actual da igreja em Angola e São Tomé e Príncipe e levar a Igreja em oração.
A CEAST realiza anualmente duas assembleias.