Economia

Lactogal nega tentativa de fraude

A Lactogal, empresa portuguesa do ramo agro-alimentar especializada em lacticínios e detentora de produtos das marcas Mimosa, Agros, Matinal, Castelões e outras, declarou estar “totalmente alheia” ao que chama de “tentativa de fraude e alteração da validade dos seus produtos”, como vem sendo publicado em certa imprensa e nas redes sociais, a partir de um comunicado da Associação Angolana de Direitos do Consumidor (AADIC).  

Numa nota enviada ao Jornal de Angola referindo-se à alegada falsificação de datas, a empresa afirma que produz e exporta de Portugal, respeitando as condições de segurança e higiene e que não tem qualquer tipo de estrutura em Angola. Refere, nomeadamente que os “produtos são importados por entidades identificadas e revendidos, também, por superfícies comerciais de confiança, sendo, depois, possivelmente revendidos de forma informal e, portanto, completamente fora do controlo da empresa”.
A Lactogal adianta que, aparentemente, o produto que terá sofrido a tentativa de fraude é um leite com chocolate 200 mililitros Mimosa, “não devendo ser considerado todo o leite Mimosa, como UHT magro, meio-gordo ou gordo”. Acrescenta que qualquer medida que se relacione com apreensão de forma generalista e massiva de produtos da marca Mimosa deve ser evitada, já que, considera, não existe justificação para tal.
Segundo a nota de imprensa, a empresa está em contacto com a AADIC e o Ministério do Comércio para disponibilizar informação sobre “qualquer ponto” e contribuir para a investigação, nomeadamente sobre os revendedores da marca, pontos de venda e grossistas para onde foram vendidos  produtos, juntamente com as devidas datas de validade, para “chegar rapidamente à origem do crime e se possa minimizar o prejuízo criado para o consumidor”.