Cultura

Escritor Zetho Cunha Gonçalves recebe Prémio DSTAngola/Camões

O escritor Zetho Cunha Gonçalves sagrou-se vencedor da primeira edição do Prémio de Literatura DSTAngola/Camões 2019, cujo galardão vai ser entregue na segunda-feira, às 16h30, em Luanda, no âmbito das comemorações do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

A cerimónia para a entrega do prémio - avaliado em 15 mil euros - vai decorrer na União dos Escritores Angolanos, e conta com declamação de poemas do livro vencedor.
A primeira edição registou cerca de duas dezenas de candidaturas e consagrou a obra poética “Noite Vertical”, de Zetho Cunha Gonçalves que, de acordo com o júri, presidido por Irene Guerra Marques, linguista e docente na Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto, “confirma todas as qualidades de um poeta, na esteira (assumida) de Ruy Duarte de Carvalho, e também com marcas de David Mestre”.
O corpo de júri foi constituído pelo escritor José Eduardo Agualusa, e pelo jornalista e escritor Carlos Ferreira.
O Prémio de Literatura DSTAngola/Camões, lançado no início do ano pelo DSTGroup e pelo Camões, I.P. pretende distinguir, anualmente e de forma alternada, títulos em poesia e em prosa, de autores nascidos em Angola e publicados em língua portuguesa.

 Perfil do vencedor

Zetho Cunha Gonçalves nasceu no Huambo, a 1 de Julho de 1960. Actualmente vive em Lisboa e é poeta, ensaísta, tradutor e autor de literatura infantil e juvenil. Em 2018, viu o seu nome proposto para o Prémio Nobel de Literatura.
Antes de se dedicar por completo à literatura, estudou agronomia. Está representado em várias antologias, quer de poesia quer de ficção. Foi responsável pela página cultural "Casa-Poema da Língua Portuguesa", no jornal Plataforma de Macau, e coordenou a secção cultural da revista "África 21".
Publicou 14 livros de poesia, traduziu poemas de António Carvajal, Vicente Huidobro, William Carlos Williams, Joan Brossa e Djalal Ud Din Rumi, e editou obras de ilustres autores portugueses tais como Natália Correia, Mário Cesariny, Eça de Queiroz e Fernando Pessoa.
Tem traduções da sua obra para alemão, chinês, espanhol, hebraico e italiano, e conta com colaborações em jornais e revistas no país, Brasil, Moçambique, Itália, Macau, Espanha e Portugal.