Gente

O outro lado da Gente| Juma Daniel

É um dos rostos conhecidos dos amantes do teatro em Luanda e no resto do país. Juma Carlos Daniel, 21 anos, é uma actriz de referência, com actuações nos palcos de teatro de Luanda, que começou a frequentar por paixão. Juma sonha representar no estrangeiro. Conheça um pouco deste rosto que integra o grupo Conjuntura D’artes.

Nome? Juma Carlos Daniel.
Idade? 21 anos.
Data de nascimento? 18 de Abril de 1997.
Naturalidade? Luanda.
Estado civil? Solteira.
Filhos? Um sonho a materializar em breve.
Ocupação? Actriz do grupo Conjuntura D’artes.
Sonhos? Representar Angola e os “fazedores” de teatro na diáspora.
Sente-se realizada? Ainda não.
Tem carro próprio? Ainda não.
E casa? Não.
Que importância têm as mulheres para si? A mulher é a fonte da vida. Ela é que alinha todos os planos de um homem.
Como se veste de segunda a sexta-feira? De calças, t-shirt e ténis.
Aos fins-de-semana? Saia e roupa normal.
Usa roupa de marca? Não tenho preferências por marcas.
Cor preferida? Preta.
Qual é a marca de perfume que usa? Pink.
Acredita em forças ocultas? Acredito no que vejo.
Onde passa as férias? Na cidade de Lubango, província da Huíla. 
Cidade predilecta? Luanda.
Virtudes? Conselheira e boa ouvinte.
Defeito? Ser orgulhosa.
Ídolo? Jesus Cristo.
Livro? Romance e drama.
Escritor? Pepetela. 
Uma boa companhia? A minha avó.
Músico? Ed-sheeran, Nicolas Germano e Dji Tafinha.
Comida? Arroz com feijão.
Bebida? Kissângua.
Sabe cozinhar? Sei.
O quê, por exemplo? São vários pratos para serem exemplificados, principalmente os quitutes da nossa terra.
É ciumenta? Sou.
Que tipo de desporto mais aprecia? O futebol e andebol.
Qual é o clube que apoia? Em Angola, Petro Atlético de Luanda e FC Barcelona em Espanha.
Alguma vez mentiu? Sim.
Já foi enganada? Já.
E como reagiu? Com toda a calma.
Qual o ano que mais a marcou? 2005.
Porquê? Por ser o ano em que perdi a minha mãe.
O que acha da corrupção? É uma doença que deve ser combatida com a maior urgência em qualquer nação.
O que pensa da homossexualidade? Não apoio, mas também não critico.
E da poligamia? Respeito, porque cada um é responsável pelos seus actos.