Economia

Huíla garante 52.420 toneladas de peixe

As empresas Quinta Solar, Lutai Callata, Caliv e Ajyamp Lda, da província da Huíla, garantem até ao momento, ao país, 52.420 toneladas/ano de peixe diverso.

A capacidade actual em armazém das referidas empresas está estimada em 38.035 toneladas, o que assegura uma capacidade de abastecimento do mercado interno de largos meses.

De acordo com o programa video-sonoro "Minu-to da Produção" do Ministério da Economia e Planeamento", emitido na Televisão Pública de Angola e Rádio Nacional de Angola, um outro produtor de referência no sector de cultivo de peixe é a LN2, da província do Bengo, que dispõe ao país 360 toneladas/ano e tem em armazém três toneladas.

Dados de até 2015, segundo pesquisas, avançam que a produção de tilápia foi de 872 toneladas, em 2016 de 655 toneladas e em 2017 de mil e 337 toneladas.

Nos últimos três anos, isto desde 2018, o sector das Pescas tem estado a desenvolver um programa de incentivo à produção interna, através do qual busca a eliminação dos níveis de importação.

Actualmente agregado ao Ministério da Agricultura por força dos ajustamentos efectuados no Governo, de que originou o Ministério da Agricultura e Pescas, o sector é um dos cluster que se pretende ver desenvolvido.

A aposta passa pela importação de matéria-prima, vi-sando um incremento dos apoios de que necessitam os produtores de peixe nacional.

A aquicultura é considerada como uma das soluções para atender à forte procura de peixes do mercado Angolano. Existem, actualmente, uma dúzia de empresas comerciais que produzem tilápias. Existem grandes oportunidades am-bientais para o desenvolvimento da aquicultura continental e marinha angolana.

O principal problema diz respeito à falta de serviços para o sector, em particular os serviços financeiros e a assistência técnica aos pequenos criadores.
O segmento da aquicultura angolana poderá ser considerado um investimento com potencial de elevada rentabilidade.