Economia

Clientes voltam a exigir depósitos no Banco Postal

Os clientes do Banco Postal no Huambo voltaram a concentrar-se quinta-feira defronte à sede regional do Banco Nacional de Angola (BNA) para exigir à restituição dos depósitos na instituição encerrada há uma semana.

A concentração foi realizada três dias depois de uma outra, em que os manifestantes protestaram diante do palácio do Governo Provincial do Huambo  e da agência local do Banco Postal, apesar dos pronunciamentos públicos deste e do BNA a garanti-rem a salvaguarda dos direitos dos clientes e a protecção dos depósitos.
Na manifestação desta quinta-feira, dezenas de clientes permaneceram cerca de 30 minutos no local, exigindo o fim do “silêncio das entidades envolvidas no processo” e a devolução do dinheiro depositado.
“Queremos o nosso dinheiro” por haver “compromissos a serem honrados, como o pagamento das matrículas” e por a maior parte dos clientes não entender as explicações dadas para o encerramento do Banco Postal, apelando a uma “simplificação da solução do assunto”.
Um outro grupo de manifestantes dirigiu-se à agência do Banco Postal, mas não conseguiu chegar ao local devido à intervenção da Polícia, que montou um cordão de segurança, com efectivos  da Polícia de Intervenção Rápida e da Ordem Pública.
Na cidade do Huambo, o Banco Postal tem instalados 50 quiosques da rede Xikila Money, geralmente usados por particulares de médio e baixo rendimento, localizados em áreas de grande  concentração populacional, de modo a permitir que um maior nú-mero de pessoas tenha acesso aos serviços que incluem a abertura de contas com o número do telemóvel e, por essa via, efectuar pagamentos de subscrições de televisão, telefone e outros.
Também oferecia um produto denominado Comércio e Empresário, destinado ao   crédito a clientes de pequenas e médias empresas.