Desporto

Girabola levado a sorteio com dúvidas no começo

Em fase de contagem do tempo para o regresso aos treinos, desde que estejam reunidas as condições de biossegurança, com testagem incluída, no quadro do controlo da propagação da pandemia da Covid-19, a 43ª edição do Girabola vai ser sorteada hoje, às 11h00, na sede da Federação Angolana de Futebol (FAF), sita na Urbanização Nova Vida, em Luanda.

Depois de uma época sem campeão, a primeira na história da prova, devido à interrupção definitiva forçada pelo alastramento do novo Coronavírus à escala mundial, a modalidade mais popular do desporto nacional define o calendário das 30 jornadas, apesar das dúvidas quanto ao início previsto para 3 de Outubro.
De forma presencial, no auditório da instituição federativa, e por videoconferência, delegados das 16 equipas consideradas aptas a disputar o campeonato vão acompanhar o sorteio que deve, à partida, ser condicionado, nomeadamente para evitar a realização de dois jogos numa jornada por equipas da mesma cidade, além de Luanda.

A limitação técnica visa fazer com que nas províncias do Huambo e de Benguela o Ferrovia, o Recreativo da Caála, a Académica do Lobito e o Wiliete alternem os seus desafios na condição de visitantes. O ajuste técnico pode incidir igualmente sobre o emparceiramento do clássico dos clássicos entre o Petro de Luanda e o 1º de Agosto, normalmente aguardado na recta final de cada uma das duas voltas, por altura da 11ª e 26ª jornadas.

Sem certezas em relação ao início do campeonato, face à indefinição da testagem regular dos integrantes das equipas, o futebol nacional arrisca-se a entrar para a janela das provas continentais, quer de clubes quer de selecções, com falta de ritmo competitivo.

Silêncio dos clubes

O Jornal de Angola tentou ontem, sem sucesso, contactar a liderança do núcleo dos clubes, que em duas ocasiões inviabilizou a realização do sorteio do campeonato, por defender a passagem do direito de assumir a máquina organizativa, numa espécie de ensaio da desejada Liga de Futebol de Angola, travada por imperativos legais.

O silêncio leva a concluir que o impasse, que afastava o elenco cessante da Federação, encabeçado por Artur de Almeida e Silva, dos líderes das agremiações, foi ultrapassado. O ambiente eleitoral tem permitido a aproximação das partes em muitos aspectos.

A FAF habilitou para a época 2020/21 o 1º de Agosto, Petro, Interclube e Progresso Sambizanga (Luanda), Sagrada Esperança (Lunda-Norte), FC Bravos do Maquis (Moxico), Desportivo (Huíla), Recreativo Libolo (Cuanza-Sul), Recreativo da Caála e Ferrovia (Huambo), Académica do Lobito e Wiliete (Benguela), Sporting (Cabinda), Santa Rita de Cássia (Uíge), Cuando Cubango FC (Cuando Cubango) e Baixa de Cassanje (Malanje).

Encerramento atípico

O Girabola 2019/20 entrou para os registos históricos como o único sem campeão nem equipas despromovidas, excepto o 1º de Maio de Benguela por ter averbado duas faltas de comparência, caso que pode continuar a ser discutido nos tribunais, dada a acção intentada pelos proletários, cuja saída permitiu a entrada da Baixa de Cassanje de Malanje.

Quando se deu a interrupção do campeonato, o Petro liderava a tabela classificativa com 54 pontos, seguido pelo 1º de Agosto, 51, e menos um jogo. A jornada seguinte, 26ª, reservava a disputa dos rivais, na qual os militares estavam obrigados a vencer, ao contrário dos petrolíferos que precisavam apenas de empatar para continuarem a depender apenas de si nas contas do título.