Desporto

Gerson e Vander ganham notoriedade na selecção

A estreia do base Gerson Do-mingos, 1,79 metros, e o regresso do poste Valdelício Joaquim “Vander”, de 2,09, ganharam notoriedade e podem ser considerados como os principais ganhos da Selecção Nacional sénior masculina de basquetebol que, de 31 de Agosto a 8 deste mês, disputou a 18ª edição do Campeonato do Mundo, nas cidades de Foshan e Beijing, China.

Promovido em 2017, pelo seleccionador nacional William Bryant Voigt, o base principal de Angola, em substituição de Armando Costa, depois de terem passado pela posição Paulo Macedo, na década de 80 a 90, e Miguel Lutonda, de 97 a 2010, dois dos mais mediáticos jogadores daquele posto, Gerson Domingos, de 23 anos, foi, dos quatro estreantes, o mais utilizado e eficaz.
Apesar de ter-se lesionado num dos tornozelos e não ter disputado o jogo contra o Irão, no Grupo N das classificativas para o 17º e 32º lugares, o camisola número 1 da Selecção Nacional mereceu a confiança de Voigt durante 102 minutos, sendo neste particular o sexto atleta com mais tempo de jogo. No total, o base do Interclube marcou 35 pontos, tendo contribuído para este número o desempenho na partida frente à Tunísia, onde converteu 19.
Já “Vander”, afastado do convívio dos hendecacampeões africanos desde 2017, por alegado acto de indisciplina, pelo técnico Manuel Silva “Gui”, regressou à equipa somente agora no Mundial e no máximo da força. O jogador, que na próxima temporada representará o Petro de Luanda, clube de formação, foi o terceiro mais utilizado e melhor marcador, com 118 minutos e 58 pontos anotados. Valdelício foi superado apenas por Carlos Morais, 62 pontos em 156 minutos, e Yanick Moreira (136/60), ambos em cinco desafios. Leonel Paulo foi o quarto com 100 minutos, 42 pontos e igual número de desafios. Da lista de quatro estreantes, José António foi o segundo mais produtivo, com 27 pontos em 90 minutos. Gerson “Lukeny” Gonçalves fez 70 minutos em campo e produziu 16 pontos, também em cinco jogos.
Jacques “Leandro” Conceição foi dos quatro novatos o que menos pontos marcou: 12, em 70 minutos, de quatro jogos.

Mau ambiente pode afastar atletas

O mau ambiente no seio da Selecção Nacional sénior masculino de basquetebol, agudizado pela falta de alimentação, pode condicionar a presença de alguns atletas em convocatórias futuras, apurou o Jornal de Angola, junto de alguns intervenientes.
Privados de alimentação durante 14 horas, pois, tomaram o pequeno almoço por volta das 8h00, ainda no Hotel, o grupo, segundo os próprios jogadores, só voltou a fazer uma refeição às 23h57, já no aeroporto e às expensas próprias.
“Chegámos ao aeroporto por volta das 9h40 e saímos à 1h20, comemos no hotel porque a organização já tinha pago o pequeno almoço. De outro modo talvez nem a primeira refeição teríamos feito. Um dos coordenadores da Selecção considera dar uma refeição aos jogadores uma oferta”, disse um dos jogadores.
Prosseguindo disse: “sabemos que não temos o nível de muitas outras equipas, mas acho que merecemos um bocado de respeito e consideração”.
Por tudo isso "alguns de nós ponderam abandonar definitivamente a Selecção Nacional", exteriorizou outra fonte.
Ao serviço do combinado angolano estiveram: Gerson Domingos, Leandro Conceição, Carlos Morais, José António, Valdelício Joaquim “Vander”, Yanick Moreira, Gerson "Lukeny" Gonçalves, Olímpio Cipriano, Leonel Paulo, Eduardo Mingas e Hermenegildo Mbunga.