Desporto

Daniel Ricciardo vence Grande Prémio da China

Sinais de mudança, pela primeira vez desde 2014, não se assistia três vitórias consecutivas que não fossem da equipa Mercedes.

O australiano Daniel Ricciardo quebrou o favoritismo das poderosas equipas da Ferrari e Mercedes e venceu a corrida, fruto da jogada de mestre da sua equipa (Red Bull), que permitiu que o piloto ultrapassasse Kimi Raikkonen na 38ª volta, Lewis Hamilton na 41ª, Sebastian Vettel na 42ª e Valtteri Bottas na 45ª. Em primeiro lugar ficou Ricciardo seguido de Valtteri Bottas e  de Kimi Raikkonen. Este foi um pódio que estava muito longe das previsões.
A corrida foi muito divertida e competitiva do princípio ao fim. O alemão Sebastian Vettel estava a ter um fim-de-semana de sonhos cor-de-rosa e conseguiu a “pole” frente ao seu colega, e dos pilotos da Mercedes. Mas o que parecia um bom sonho virou um autêntico pesadelo, quando entrou o Safety Car, todos os carros ficaram próximo um dos outros e daí em diante o que poderia correr mal correu ainda pior.
Depois de ultrapassar Lewis Hamilton e Raikkonen, o holandês Max Verstappen tentou ultrapassar Vettel na curva e atirou-o para fora da pista. O alemão perdeu vários lugares e desceu para o oitavo lugar. Devido a esta situação, o holandês foi penalizado com dez segundos na corrida.
O australiano Daniel Ricciardo partiu da sexta posição da grelha de partida e poderia fazer uma estratégia diferente à dos cinco primeiros. Fez uma excelente corrida, uma grande jogada táctica da Red Bull. Com a entrada do Safety Car, devido aos toques na pista entre os pilotos Gasly e  Hartley, Ricciardo e Verstappen fizeram uma paragem dupla nas boxes, saindo com pneus frescos, e logo começou o jogo das ultrapassagens. As vítimas de Ricciardo foram Raikkonen, Hamilton, Vettel, Verstappen e Bottas. A facilidade com que Ricciardo ultrapassava  os adversários fazia  parecer que estava a correr numa modalidade superior à dos carros da Ferrari e da Mercedes.
Lewis Hamilton fez  a sua pior corrida dos  últimos quatro anos. Pois o inglês esteve de mal a pior durante toda a corrida e só conseguiu um quinto lugar, devido ao acidente entre Max Vertappen e Sebastian Vettel. Hamilton e a Mercedes eram vistos como favoritos ao segundo lugar ou mesmo à vitória, devido ao seu histórico na China. Mas Hamilton esteve mal em toda a corrida e parecia estar a andar para trás. Fez uma corrida sem brilho, triste, e muitos afirmaram que Hamilton está a correr só por correr.
No Grande Prémio da China, os fãs não se arrependeram de assistir a corrida, pois foi muito emocionante ver as ultrapassagens entre as equipas  de top e as restantes. Espera-se que na próxima corrida tenhamos o mesmo nível de competição que tivemos no Grande Prémio da China.
Poucas pessoas deixam a China tão frustradas quanto Lewis Hamilton. Depois de um fim de semana difícil e a quarta colocação no Grande Prémio de Xangai, terceira etapa do ano no Mundial de Fórmula 1, o britânico da Mercedes não escondeu a insatisfação com o próprio desempenho.
“Sábado e ontem (domingo) foram um desastre para mim. Então, tenho que tentar corrigir isso e voltar à minha performance normal. Caso contrário, mais pontos valiosos serão perdidos”, advertiu Lewis Hamilton, em entrevista concedida à Sky Sports.
Hamilton se mostra incomodado com o desempenho geral na temporada. Após três corridas, o inglês ainda não venceu, situação incomum dentro de uma equipe que dominou a categoria nos últimos anos. O tetracampeão mundial ainda é o vice-líder de 2018 com 45 pontos, nove a menos do que Sebastian Vettel, da Ferrari.
“Estava numa terra de ninguém, não tinha ritmo. Estava apenas a tentar segurar o que eu tinha. Obviamente, temos uma dura batalha pela frente; eu, particularmente, ainda mais. Vou falar individualmente, mas acho que isso vale para a equipe: estamos a ter um desempenho ruim”, sentenciou.