Desporto

1º de Agosto fecha plantel para época futebolística

A recente transferência de Zito Luvumbo para o Cagiliari da Série A italiana permite ao 1º de Agosto concluir a composição do plantel, nomeadamente, a escolha do treinador, com o foco colocado no topo da Liga dos Clubes Campeões Africanos de futebol sem descurar a defesa do título do Girabola. A conquista do quinto campeonato consecutivo é um dos objectivos.

Com o encaixe financeiro, estimado em 800 mil euros, a direcção militar, encabeçada por Carlos Hendrick da Silva, pode concluir o processo de substituição do bósnio Dragan Jovic, responsável por três troféus da série de quatro partilhada com o sérvio Zoran Maki, que liderou a equipa, em 2018, até às meias-finais da principal competição continental de clubes. Nos bastidores, as atenções continuam viradas para o português Paulo Torres e o sérvio Srdjan Vasiljevic, ex-seleccionador dos Palancas Negras.

Enquanto se aguarda pela definição do nome escolhido para a condução da equipa, a batuta no regresso ao trabalho, depois de mais de seis meses de inactividade, por força da pandemia da Covid-19, fica a cargo do técnico angolano Mário Soares, distinguido pelo desempenho à frente do Desportivo da Huíla. O terceiro lugar no Girabola e a disputa da final da Taça de Angola são os destaques da distinção.

A divisão dos jogadores em grupos de cinco com vista o cumprimento das sessões de treino em intervalos de três horas é uma das opções ensaiadas pelo Departamento de Futebol. O 1º de Agosto tem a possibilidade de trabalhar, em simultâneo, no Estádio França Ndalu, bem como nos campos Nicola Berardineli e Ndungidi Daniel.

Chegada de reforços

Os rubro-negros aguardam a autorização das autoridades sanitárias para a viagem dos reforços contratados no exterior. O hondurenho Brayan Moya, avançado de 26 anos, proveniente do Zuila Futebol Clube da Venezuela, pode ser o primeiro a chegar.

Familiarizado com o golo, o Jornal de Angola sabe que o hondurenho é um pedido especial do futuro treinador. Do Congo Democrático aguardam sinal de partida dois jogadores, com destaque para Elvia Giovanni Ipamy, avançado de 26 anos do TP Mazembe, peça preponderante na vitória (2-1) do clube de Lubumbashi sobre o 1º de Agosto, em Janeiro.

Uma das principais referências da Selecção Nacional liderada por Pedro Gonçalves no Mundial Sub-17 disputado no Brasil, em Outubro, Zine é uma das apostas locais no alargamento da força ofensiva, num ataque que conta com o faro goleador de Mabululu. Na defesa, Mona regressa do Recreativo da Caála e cria alternativa a Isaac, pondo fim às constantes adaptações de Natael e Paizo.

Na baliza, o experiente Tony Cabaça passa a ter a companhia de Nsesani, findo o empréstimo à Académica do Lobito. Neblu e Julião completam o quarteto que vai lutar pela titularidade numa posição complexa quanto à rotatividade de jogadores, por exigir rotinas de treinos e jogo com o resto da equipa liderada pelos capitães Dani Masunguna, Buá e Bobó.

Afastados dos planos

Entre as saídas, Zito, talento lançado na segunda metade da época 2018/2019 e aposta coroada com o título do Girabola e da Taça de Angola, é o caso mais mediático, seguido pela transferência de Nelson da Luz aos portugueses do Vitória de Guimarães e de Ary Papel aos egípcios do Zamalek.

Sem espaço no plantel, por baixo rendimento, ficaram o nigeriano Ibukun, um dos esteios do período dominador alicerçado pelos militares no futebol angolano, o congolês democrata Kila e o camaronês Lionel Yombi, avançado contratado com referência de goleador ao Desportivo da Huíla, que mostra interesse em voltar a dispor dos préstimos do atleta.