Cultura

Ministério da Cultura recupera património

A reabilitação, conservação e inventariação dos monumentos e sítios religiosos em todo o país são das principais apostas do Ministério da Cultura, para os próximos anos, por forma a preservar o património cultural nacional.

Essa preocupação foi apresentada, ontem, pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, no final de uma visita efectuada ao Palácio de Ferro e ao Centro Cultural Brasil-Angola, na Baixa de Luanda.
A responsável explicou ser preciso prestar-se uma maior atenção à recuperação, localização e preservação desses locais históricos religiosos em todo o território nacional, por forma não apenas a os preservar, mas também permitir que a população local tenha a sua cultura valorizada e melhor conhecida.
A intenção, disse, é permitir, um maior fomento do turismo cultural, identificar os principais pontos turísticos e de interesse histórico, ajudando na preservação da arquitectura religiosa e da sua história.
A ministra da Cultura informou que, a nível nacional, já estão classificados mais de 200 monumentos e sítios e a ser inventariados mais de dois mil. “Precisamos usar o imaginário para ajudar a desenvolver e preservar os locais históricos no país, por formas a deixar um legado positivo às gerações vindouras.”
Recorrendo à máxima “A cultura faz-se nos municípios”, Carolina Cerqueira enalteceu os ganhos que o país tem registado no âmbito da parceria com instituições públicas e privadas, essencialmente na recuperação de infra-estruturas culturais e locais de grande valor histórico.
A recuperação do património cultural nacional, através de parcerias, acentuou, tem permitido partilhar conhecimentos e incentivar o investimento no domínio cultural, o que ajudar a aumentar o fluxo de actividades de promoção das artes no país. “É importante continuarmos a criar políticas incentivadoras ao investimento privado no país, de maneira a apoiar o Estado angolano na preservação e divulgação da cultura nacional.”
 
Incentivo aos estudantes

No decorrer da visita efectuada no período da manhã, ao histórico e emblemático Palácio de Ferro, na Baixa da cidade de Luanda, a ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, incentivou e encorajou os estudantes a dedicarem-se e a continuarem a aumentar os conhecimentos sobre as principais figuras históricas do país, por forma a estarem melhor preparados para os principais desafios do país na preservação da identidade cultural comum. A ministra felicitou o excelente trabalho que está a ser desenvolvido pela Trienal de Luanda, projecto cultural da Fundação Sindika Dokolo, com o  objectivo social de resgatar, valorizar e divulgar a cultural angolana e a africana.
Surpreendida pelo nível de conhecimento dos estudantes sobre a história do Palácio de Ferro, espera que outras iniciativas possam contribuir para o aumento da cultural geral dos alunos, não apenas em Luanda, mas em toda a extensão do território nacional.
O vice-presidente da Fundação Sindika Dokolo, Fernando Alvim, durante a visita guiada, garantiu à ministra, que os objectivos do projecto para o qual foi concebido têm dado os seus resultados e vão continuar a trabalhar, no sentido de dar-se maior visibilidade às mais variadas expressões artísticas desenvolvidas no país. Sob o lema “Património cultural e turismo sustentável”, assinalou-se, ontem, o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, facto que permitiu ao embaixador do Brasil em Angola, Paulino de Carvalho Neto, garantir à ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, a continuidade da parceria entre Angola e o Brasil.
O responsável disse que o Centro Cultural Brasil-Angola vai continuar a impulsionar os dois Estados na promoção de ambas as culturas. Explicou que a união das culturas angolana e brasileira e o movimento artístico em Luanda ganham uma nova dinâmica com a abertura do centro cultural. O Centro Cultural Brasil-Angola funciona no antigo Grande Hotel de Luanda, local que abrigou, no início do XX, viajantes que chegavam da Europa e outras nações. O local era passagem obrigatória e de primeiro contacto com Angola. O centro cultural está localizado na zona dos Coqueiros, no distrito urbano da Ingombota.
O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi instituído pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), a 18 de Abril de 1982. Trata-se de uma organização não governamental global, associada à Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura (Unesco).
Com sede em Paris, na França, a Icomos propõe os bens que devem receber a classificação de Património Cultural da Humanidade. O Icomos foi criado em 1964, durante o II Congresso Internacional de Arquitectos, em Veneza, ocasião em que foi escrita a Declaração Internacional de Princípios norteadores de todas as acções de restauro - “Carta de Veneza”. Actualmente com seis mil e oito associados em cerca de 107 países, organizados em comités nacionais, nos cinco continentes, o Icomos International é administrado por uma secretaria executiva sediada em Paris.
As questões doutrinárias relativas à preservação e restauro do património cultural, no que concerne aos monumentos e sítios históricos, são discutidas e propostas pelos comités Executivo e Consultivo e as suas conclusões são apresentadas para aprovação da Assembleia Geral na forma de “cartas” e “recomendações”.  O Icomos desenvolve uma ampla actividade no campo de formação, publicações, turismo cultural e arqueologia, entre outros, desenvolve técnicas, princípios e políticas de conservação, protecção e reabilitação do património cultural nos países membros.