Cultura

Marca realiza concurso de design de moda em Luanda

A marca Mister Black Internacional vai realizar este ano, em Luanda, um concurso de design de moda no complexo mercado da moda na Europa, revelou ao Fim-de-Semana a criadora da marca, a angolana Isabel do Nascimento.

Entre acertos de pormenores e contactos, Isabel do Nascimento não precisou uma data em concreto, mas fala na realização do casting em meados deste ano. O grupo alvo vão ser os jovens que apesar de talentosos e inclinados para o corte e desenho não têm dinheiro para custear uma formação completa nas mais renomadas escolas de alta-costura.
O objectivo do concurso é justamente o de encontrar talentos nesta área. Na sequência, o vencedor vai beneficiar de formação na escola Profissional de Moda do Porto, em Portugal. Caso tudo corra bem, após a formação, poderá trabalhar para a marca Mister Black Internacional, que tem na calha a criação de uma linha de roupa masculina de alta gama, cujo lançamento está para breve.
“Estamos a analisar tudo ao detalhe, para que só o simples facto de os jovens angolanos participarem no concurso represente um grande passo. Penso que tomar contacto com os estilistas de peso é também um privilégio para quem preza este universo”, diz Isabel do Nascimento.
Segundo adiantou, a marca quer contribuir para que mais jovens africanos sejam empreendedores no promissor universo da moda e que entendam da melhor forma possível os meandros deste mercado, que é capaz de criar tantos empregos quanto os outros sectores.
Além disso, com o concurso, a marca Mister Black Internacional pretende uma rápida e qualitativa inserção dos designers angolanos ou africanos no complexo e exigente mercado da moda na Europa e em outras paragens.
Entre Setembro e Outubro deste ano a presidente e fundadora da marca Mister Black e o vencedor da primeira edição do Mister Black Portugal, Dori Nigro, vão estar em Luanda para a entrega de donativos compostos por vestuário e várias paletes de medicamentos ao orfanato GA Angola. A próxima edição, para o caso, a segunda do Mister Black está para Novembro deste ano, em Lisboa, Portugal.
A justificação está no facto de Portugal albergar o maior número de cidadãos da África Lusófona, e não só. “O Mister Black vai ser realizado em vários países da Europa, mas os países onde deve ocorrer com frequência, ou seja, uma vez por ano, é Portugal, na medida que é lá onde a Comunidade africana é acentuada”.
Há 29 anos a residir entre Lisboa e Bruxelas, Isabel Nascimento diz que o objectivo se circunscreve também à descoberta de um embaixador da comunidade africana na Europa que se torne numa espécie de “cabeça de cartaz” da associação humanitária da marca.